APP

O que é APP – Avaliação Pré-Participação Esportiva

Todo atleta antes de iniciar uma atividade física deve passar por uma avaliação pré-participação esportiva (APP) para identificar anormalidades que podem provocar progressão de doenças cardiovasculares preexistentes ou mesmo morte súbita. O objetivo principal é a prevenção.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, cerca de 140 mil pessoas morrem de doenças cardíacas a cada ano no país. Desses casos, cerca de 90% poderiam ser evitadas com avaliação médica básica, realização de eletrocardiograma e acompanhamento médico adequado.

Além disso, estima-se que um em 200 mil atletas jovens e aparentemente saudáveis morra subitamente durante o esforço físico. Por isso, fazer uma APP é tão importante.

Ela deve incluir um eletrocardiograma em repouso, exame físico, e o médico também deve questionar o histórico do paciente e de doenças na família para detectar os fatores de risco cardíaco e solicitar ou não outros exames laboratoriais.

Quem deve fazer?

A diretriz em Cardiologia do Esporte e do Exercício da Sociedade Brasileira de Cardiologia recomenda que todos os indivíduos, independentemente da idade do candidato ao esporte, que forem realizar exercícios físicos em intensidade moderada a alta, devem obrigatoriamente ser submetidos a este tipo de avaliação médica.

Como é feito o APP?

Primeiramente, o atleta passa por uma consulta especializada, na qual são identificados os sintomas relacionados à atividade física esportiva, a idade de início da prática, a intensidade e as mudanças de modalidade, além da existência de sintomas, como desmaios, tonturas e dores do peito.

A Diretriz em Cardiologia do Esporte também orienta que o cardiologista peça exames baseados na idade e na modalidade esportiva do atleta, como por exemplo, se ele tiver acima de 40 e for fazer uma caminhada ou correr meia maratona, se for treinar lutas numa academia ou treinar levantamento de peso.

Após essa primeira etapa, são realizadas os seguintes exames: eletrocardiograma de repouso, que avalia a atividade elétrica do coração; teste ergométrico, chamado de teste de esforço, que avalia o funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante; e teste cardiopulmonar, que avalia a função cardiovascular em conjunto com a capacidade respiratória.

Também são necessários exames laboratoriais, como hemograma, pesquisa de hemoglobinopatias, perfil lipídico, glicemia e os que medem as funções renal, hepática e tireoidiana.

Outros exames ainda podem ser solicitados, conforme a avaliação do médico, sendo eles: raio-x, holter, ecocardiografia de estresse, cintilografia miocárdica, cateterismo, estudo eletrofisiológico e ressonância magnética cardíaca.

E depois?

Com todas essas informações necessárias sobre o caso do atleta, chega-se a uma definição, que pode ir desde o encaminhamento para tratamento, ou até mesmo, como em várias situações, a conclusão de que a alteração encontrada é fisiológica, sendo indicado apenas o acompanhamento longitudinal.

Uma APP detalhada, realizada por profissional especializado, com enfoque no sistema cardiovascular, garante a integridade do atleta e longevidade no esporte.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cardiologista esportivo em São Paulo.

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe

© Desenvolvido com pelo iMedicina. Todos os direitos reservados.